Ponto de Cultura

Ponto de Cultura

Desde 2010

Ponto de Cultura

O Ponto de Cultura Obìnrin Odara do Ilê Omolu Oxum é dedicado à preservação da memória e saberes da nossa ancestralidade e valores da cultura afro-brasileira. Colocamos em prática esses princípios com o desenvolvimento de cursos, oficinas e palestras abertos a todos os públicos interessados.

O acolhimento, escuta e cuidado são instrumentos importantes e estratégicos para dar conta dos problemas das pessoas que buscam o Ilê Omolu Oxum. O nosso saber é ancestral, daí a importância desse legado ser repassado para os nossos jovens, garantindo a perpetuação da nossa tradição. Com isso, obtemos grandes avanços em direção à qualidade de vida de nossas comunidades, quando inserimos as pessoas em atividades sócio-culturais e educativas que as valorizem como protagonistas nas decisões políticas em suas famílias e no meio em que vivem.

Promovemos a valorização da cultura negra, o respeito às pessoas, o combate às diversas formas de intolerância e preconceito. Oferecemos oportunidades de geração de renda, uma vez que o racismo estrutural está presente no mercado de trabalho formal.

Aproveitamos o espaço do nosso terreiro (que muitas vezes fica ocioso) para promover encontros e projetos sociais voltados para as mulheres e homens da nossa comunidade. Nossas oficinas são voltadas para a inclusão social, geração de renda, desenvolvimento cultural, atuando também no fortalecimento da auto-estima das pessoas atendidas.

Ponto de Cultura

Vivências de Terreiro

Em 2020, fomos afetados duramente com a pandemia de covid-19 e todas as nossas atividades foram suspensas, uma vez que as guardiãs de nossos saberes ancestrais precisavam estar em uma situação segura para não entrarem em contato com o vírus.

Nossa mobilização inicial respondeu aos problemas daquele momento, sobretudo de ajuda humanitária para levar comida à mesa de centenas de famílias em situação de vulnerabilidade social. O projeto Vivências de Terreiro nasceu da necessidade de viabilizarmos o compartilhamento de saberes e conhecimentos contidos em nosso terreiro, sobretudo com a participação de nossa juventude.

Graças ao edital público da Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa do RJ, por meio da Lei Aldir Blanc, realizamos uma série de lives e produzimos um material gráfico durante o período mais crítico da pandemia, o que nos proporcionou momentos únicos de aproximação e acolhimento.